DOLCE VITA
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Meu Diário
14/05/2009 14h41
Balas Perdidas

















A melhor definição de cidadania são as balas perdidas.



Um longo caminho de civilização até que o sentido dessas balas seja o doce esquecido na bagunça do carro da famíla. 




(*) Foto: Google



Publicado por Dolce Vita em 14/05/2009 às 14h41
Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
13/05/2009 00h26
Corpo da Palavra








                        Teus versos se injetam
                        em corrente sanguínea.




                                     
                                                                    A palavra é corpo,
                                                                    e o poema, sina.
                                                       

                                                                          

                        Reconheço a tortura 
                        labirinto cínico.



                                                                    Eu sei, 
                                                                    eu sinto.



Publicado por Dolce Vita em 13/05/2009 às 00h26
Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
10/05/2009 04h02
Tempos Estranhos (*)
  









O sentido ata
e não liga. 




                                          O sentido falta 
                                           e não grita. 





                                                                         O sentido é lido 
                                                                         e não registra. 





             Teu poema flagra 
             o teorema da alma. 





                                                 Moderna.
                                                  Arisca.






(*) Inspirado na interpretação dos versos "Ciúmes no Divã", do poeta recantista, Tiago do Valle.

Publicado por Dolce Vita em 10/05/2009 às 04h02
Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
08/05/2009 00h46
Mojo Books (4)

Quando a música é literatura...


Texto inspirado na música "Carolina" (Chico Buarque) e publicado no site Mojo Books.


Acesse o link e ouça a música enquanto lê o texto:


http://mojobooks.virgula.uol.com.br/mojo_inteira.php?idm=309

Publicado por Dolce Vita em 08/05/2009 às 00h46
Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
07/05/2009 05h52
Avenida Paulista
               





                                                                                Declaração Caótica 
                                                                                                  de Amor 
                                                                                            a São Paulo





Avenida Paulista encontrou-se com a Liberdade e disse:


- Querem acabar comigo! É muito estressante!


A outra avenida não entendeu nem mesmo como se cruzaram no trajeto dessa história, mas mostrou-se receptiva em uma de suas faixas:


- O que quer dizer, Paulista?


- Ora! O que quero dizer? Sou uma avenida de respeito! Represento esta metrópole! Tenho história!


A avenida Liberdade sentiu que poderia congestionar-se rapidamente com o discurso vaidoso da Paulista. Por isso, tratou logo de cortar caminho:


- Será mesmo que não tem tempo a perder? Até agora não disse nada!


- Minhas vias de acesso estão dificultando o raciocínio! Espere! Os sinais vão abrir!


A Liberdade precisou de toda paciência oriental e agradeceu aos deuses da geografia por estar localizada ali.


Enquanto isso, Paulista, como sempre, estressada com o movimento, digitava um e-mail ao celular para seu advogado, lido em voz alta em tom de protesto:


- Não tolerarei mais as piadas em todas as esquinas, inclusive na contramão e em cruzamentos perigosos! Não quero mais ouvir que sou igual a todo casamento porque começo no Paraíso e termino na Consolação! Basta! Exijo respeito!

Por isso, ordeno que entre com um processo por danos morais! Atenção ao sentido único: - "Eu, Avenida Paulista, declaro que tenho um caso de amor possível!".


A Liberdade bocejou antes de retrucar:


- Um só, né? Deixe-me adivinhar! Sampa!


Avenida Paulista não escutou. O sinal abria novamente ao som de muitas buzinas!


Moral da história:
Alguma coisa acontece no seu coração?


Publicado por Dolce Vita em 07/05/2009 às 05h52
Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 9 de 12 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]