DOLCE VITA
Capa Meu Diário Textos Áudios Perfil Livros à Venda Livro de Visitas Contato Links
Áudios
UM LUGAR SILENCIOSO
Data: 29/09/2020
Créditos:
UM LUGAR SILENCIOSO

AUTORA E VOZ: DOLCE VITA
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

UM LUGAR SILENCIOSO



Alice crescera ouvindo sua mãe dizer que as coisas importantes não se encontravam em qualquer esquina. E, após dois anos de ausência, ali estava Antonio: em uma esquina qualquer da cidade à sua espera. Ainda que tivesse pressa de reencontrá-lo, Alice caminhava devagar. A cada passo, aumentava o temor de que ele pudesse desaparecer. Mas Antonio permanecia lá. E de repente, ao alcance de seus braços: não era um sonho.

— Você demorou.

Ao ouvir a voz daquele homem, Alice colou seu corpo ao dele. E continuaria assim, se Antonio não desfizesse o abraço, afastando-a delicadamente.

— Não, Alice. Tenho alguém, agora.

Pela primeira vez ela se dava conta de que a vida dele seguira, enquanto a sua permanecia suspensa. 

Antonio a encarou com uma expressão indecifávrel, antes de emendar:

— Ela é tua xará.

Imaginar outra Alice ao lado do homem que amava era mais do que uma dor. Revelava sua porção medíocre: ela sentiu uma profunda inveja.

— Você está dizendo que encontrou a Alice certa?

Antonio não parecia surpreso. Talvez esperasse por isto.

— Estou com a Alice possível.

Naquele instante, o som de uma freada brusca desviou a atenção de Antonio. Seria um sinal para que ela parasse com as perguntas? Mas Alice não se conteve:

— Você ainda pensa em mim?

Antonio a segurou pelos braços como se desejasse sacudi-la.

— Certas coisas não precisam mais ser ditas.

Havia uma ponta de raiva no tom de voz dele, no entanto, Alice insistiu:

— Pensa?

Ele soltou os braços da mulher e fez um sinal para o motorista de táxi que o aguardava do outro lado da calçada. Após abrir a porta do carro, Antonio virou-se e disse:

— Todos os dias...

Alice teve a sensação de ser jogada em um lugar silencioso onde não conseguia escutar o que Antonio dizia. O brevíssimo impulso de coragem desaparecera diante do medo de ouvir a verdade. Porém, seja ela qual fosse, era tarde demais para mudar o rumo da história.

 
NOTA DA AUTORA:
 
ESTE CONTO FAZ PARTE DE UMA SÉRIE QUE COMEÇA COM O EPISÓDIO "A CASA DOS SUSSURROS". PARA MELHOR COMPREENSÃO DO ENREDO, LEIA A SEQUÊNCIA DOS CONTOS.

 
 

 
(*) IMAGEM: ERIC CARAVACA E ESTHER GARREL
 
"AMANTE POR UM DIA"
 
DIREÇÃO: PHILIPPE GARREL
 
 

http://www.dolcevita.prosaeverso.net
 
Enviado por Dolce Vita em 29/09/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários