DOLCE VITA
Capa Meu Diário Textos Áudios Perfil Livros à Venda Livro de Visitas Contato Links
Textos
QUANDO ME CONTARAM QUE O MUNDO ACABOU
 
 



Atordoada, ela olhou para o garçom e, em seguida, para os dois clientes sentados no balcão da lanchonete.  A história que ouvira era tão absurda quanto verdadeira: além deles, ninguém mais existia. Naquela noite, o mundo acabara e apenas os quatro sobreviveram ao fim.

Alice precisava encontrar um sentido:

— Por que só nós quatro sobrevivemos?

Um dos clientes respirou fundo, e disse:

— Olha bem pra nossa cara. Você acha que alguém aqui tem a resposta?

A aflição da mulher era evidente. Andando de um lado para o outro, ela repetia sem parar:

— O que a gente vai fazer?

Irritado, o outro cliente retrucou:

— Você ainda não entendeu? Não há mais nada lá fora.

Alice parecia exausta ao sussurrar mais uma vez:

— O que a gente vai fazer?

Naquele exato instante, o garçom que bebia sem qualquer moderação porque não haveria amanhã, ergueu o copo de uísque e disparou:

— Como vocês são chatos. Um brinde ao silêncio.





 
(*) IMAGEM: "NIGHTHAWKS"

EDWARD HOPPER 



http://www.dolcevita.prosaeverso.net
Dolce Vita
Enviado por Dolce Vita em 01/04/2020
Alterado em 01/04/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Áudios Relacionados:
Comentários