DOLCE VITA
Capa Meu Diário Textos Áudios Perfil Livros à Venda Livro de Visitas Contato Links
Textos
DIÁRIO DA QUARENTENA

 
 

 
No primeiro dia, Clarice dançou pela casa ao som de Tim Maia. Três dias depois, ela havia devorado todos os chocolates da dispensa e desejou profundamente não ter tanto sossego. Uma semana mais tarde, não conseguia nem pensar em ver outro filme ou série. Com o isolamento, veio o tédio e uma irritação desmedida. Na verdade, ela queria gritar na janela. E aproveitou os protestos da faixa das oito para falar todos os palavrões que normalmente não diria em voz alta. Naquela noite, Clarice se deu conta de como era egoísta. A pandemia virara pelo avesso a vida das pessoas ao redor do mundo e ela preocupada com seu próprio umbigo. No entanto, não sentiu culpa. Imperfeita assumida, reconheceu mais um defeito e o acrescentou à sua vasta lista. A quarentena estava apenas começando. O medo ainda não a dominara. E uma pergunta a perseguiria até que o confinamento terminasse: Clarice sobreviveria a si mesma?




 
(*) IMAGEM: JULIETTE BINOCHE

"A LIBERDADE É AZUL"

DIREÇÃO KRYSZTOF KIESLOWSKI


http://www.dolcevita.prosaeverso.net
Dolce Vita
Enviado por Dolce Vita em 08/04/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Áudios Relacionados:
Comentários