DOLCE VITA
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Meu Diário
10/07/2009 10h41
VERSOS PARA NINGUÉM
                                      
 




 
Uma confidência se faz assim... E você estava ali, declarado em verdade. E é por isso que te adotei como parte da minha família!


Porque tua dor abre feridas na minha pele.


E então, você, inesperadamente disse! Confessou sem jeito, talvez porque não entenda essa comunicação via entranha (ou seria via estranha?) da palavra.


E disse, assim, de uma vez só, na minha cara! Não. Ao pé do ouvido.
O poeta jogou fora o que havia escrito para mim. E ainda imaginou que ficaria triste ao saber disso.


Por que ficaria? Se não me deves nada...  Ao contrário. Sou eu que me debruço sobre teus versos como a mulher apaixonada que tem marido na guerra. Ao invés de tricotar, suporto a vida ao ler-te.


Teus versos me ajudam a emergir em outro dia, ainda que não veja um só motivo para sorrir. Sorrio. Tua poesia existe.


E ao saber que em um papel qualquer, tuas palavras para mim foram lançadas ao nada, de repente, entendi o sentido da minha existência definida neste movimento.


Meu poeta, você desenhou o mais belo verso no ar.


E retribuo a confidência... Aos vinte anos escrevi o título de um livro que ainda não publiquei. Uma coletânea de poemas. O nome?


Versos para ninguém.


Nunca soube exatamente como esse título surgiu. Foi preciso que o tempo mostrasse a força do vazio e da coragem, no gesto de um poeta que joga o que escreve fora, para que eu pudesse entender, enfim, porque você faz parte de mim.


 
 



(*)
Imagem: Google

Publicado por Dolce Vita em 10/07/2009 às 10h41
Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
06/07/2009 18h26
FORÇA DE ATRAÇÃO









Quando estas línguas se enroscam

                        na faísca da atração, força do imã



O corpo vai além da matéria prima

                           vira essência em estado de graça 



De onde nasce a mais sublime rima 

                           tatuada no sentido que te enlaça



Quando esta luz vibra, é rima mulher

                            não imagine mais uma qualquer



Esta rima mergulha sem medo na dor

                           e a poesia segue seja lá onde for...








(*) Imagem: Google

Publicado por Dolce Vita em 06/07/2009 às 18h26
Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
24/06/2009 18h20
DONO DO SENTIDO









Em algum lugar da antiga gramática 

       à margem de um encontro vocálico 

                 minha conjugação descobriu o tempo




                                           perdido no pretérito mais que perfeito
                                    
                                           daquele sujeito indeterminado ou culto

 


                    tradutor de tantas noites em voz passiva

       dono do sentido, oração subordinada
       
objeto direto do seu desejo imperativo.
                         







(*) Imagem: Google

www.dolcevita.prosaeverso.net

Publicado por Dolce Vita em 24/06/2009 às 18h20
Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
22/06/2009 12h23
Mojo Books (9)
Quando a música é literatura...


Meu nono texto para o site Mojo Books, inspirado na canção "Sampa" (Caetano Veloso).


Acesse o link e leia enquanto ouve a música:

http://mojobooks.virgula.uol.com.br/mojo_inteira.php?idm=339

Publicado por Dolce Vita em 22/06/2009 às 12h23
Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
21/06/2009 23h22
TEU NOME






Inspiração na hora incerta 


                                         sorrateira, leve ou intensa


encontrará a porta aberta


                                          na alma nebulosa e densa.



Na liberdade, uma corrente


                                         arrasta em relevo teu nome


noite oca do amor ausente


                                         coração pulsa minha fome.
                                    






(*) Imagem: Google

Publicado por Dolce Vita em 21/06/2009 às 23h22
Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 6 de 12 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]